2 de dez de 2007

Sabores de Aracaju – Parte I

Nossa amiga Adriana Manfredini, jornalista de texto impecável e apreciadora da boa gastronomia, esteve recentemente na capital sergipana. E o melhor de tudo é que ela fez questão de nos contar os detalhes de sua incursão pela culinária local. Sintam-se convidados a conhecer (ou relembrar) algumas delícias do Nordeste brasileiro.

Um dos primeiros locais que costumo visitar em uma cidade é o seu mercado, para conhecer as cores, os aromas e os sabores típicos da terra. Em Aracaju, onde estive por nove dias a passeio, fui três vezes no Mercado Central, na verdade um complexo formado por três mercados.

Na parte das frutas, que fica no Mercado Albano Franco (a unidade que concentra o comércio hortifrutigranjeiro, de cereais e de carnes), os corredores recendem a mangaba, umbu, acerola, tamarindo, graviola, jenipapo e, é claro, caju – fruta esta que é símbolo da capital sergipana. Dizem que Aracaju significa “cajueiro dos papagaios”.

(Mangaba)


(Acerola)


(Jenipapo)

Nas barracas do mercado, compra-se de quatro a seis cajus por R$ 1. Se a intenção for experimentá-lo in natura, é melhor escolher o que estiver mais maduro, para não amarrar tanto a boca. Na dúvida, peça orientação ao vendedor.

Além do conhecido suco, o caju rende um excelente doce em calda, carnudo e levemente ácido, que eu já tinha experimentado em outras viagens ao Nordeste. Desta vez, conheci uma outra variação: o caju-ameixa, que pode ser comido só, acompanhado de creme de leite ou de que mais a imaginação inventar, inclusive para rechear assados. Eu mesma comprei um pote de caju-ameixa (R$ 3,50) para servir com sorvete de creme.
Como o próprio nome faz referência, o aspecto e o modo de preparo lembram o da ameixa seca. Há ainda as balas de caju, que são docinhos à base da fruta polvilhados com açúcar cristal, vendidos a granel ou em saquinhos com 20 a 30 unidades, dependendo da banca. Uma ótima opção de presente, a um custo de cerca de R$ 3 a R$ 5, conforme o tamanho da embalagem.



Do caju também se aproveita – e como! – sua castanha. Além daquela torrada e salgada que estamos mais acostumados a ver, encontrei outras opções no Mercado Central. Uma delas é a castanha de caju natural, sem sal, torrada apenas uma vez, muito apreciada pelos sergipanos e, pelo que consta, o tipo mais vendido no mercado. O quilo varia de R$ 9 a R$ 13. Experimentei em diversas barracas, mas achei seu gosto inferior ao da castanha torrada, esta encontrada a R$ 14 o quilo. Talvez seja o hábito, não sei. Também não me empolguei muito com as castanhas doces, tanto a com cobertura de açúcar caramelizado como a de chocolate. Mas vale experimentá-las e até comprar umas para petiscar no hotel, naquela hora em que dá vontade de comer alguma coisinha doce.


A macaxeira – ou mandioca ou aipim – é outra presença marcante no mercado. Afinal, é base para diversos pratos nordestinos e serve de acompanhamento do café da manhã ao jantar do sergipano. Sem dúvida, foi o alimento que mais consumi nos noves dias em Aracaju. Farinha, farofa, pirão, quitutes à base de tapioca ou de massa puba, porção de macaxeira frita na praia, macaxeira cozida no café da manhã e no lanche da tarde, macaxeira ao forno com carne de sol, bolo de macaxeira.
Este último, aliás, foi uma novidade para mim. Já tinha experimentado alguns bolos de mandioca em São Paulo, mas nenhum se comparou aos que tive a oportunidade de degustar em Aracaju.
O primeiro foi no próprio Mercado Albano Franco, no box 30, encontrado a R$ 0,50 o pedaço, em quase todos os dias. Consistente, encorpado, quase um pudim dourado, com gosto realçado de mandioca e de coco, uma delícia para acompanhar um café coado na hora.

O segundo, com castanhas de caju, comi-o em um quiosque no shopping. O terceiro, o melhor de todos, foi-me servido na casa de uma família sergipana, no café da tarde ao qual fui convidada a participar. A dona da casa fez o bolo de macaxeira especialmente para mim, depois que soube que eu tinha adorado o bolo do mercado. Ela me passou a receita: macaxeira bem ralada, leite de coco (de preferência, feito em casa), manteiga, açúcar, sal, cravo-da-índia e ovo.
Da macaxeira, extrai-se o polvilho ou a goma da tapioca. Dessa fina fécula, faz-se outra infinidade de guloseimas: mingau, pudim de tapioca, beiju (também conhecido como tapioca), beiju molhado (servido frio sobre a folha da bananeira), etc, etc.
Já a massa puba, que resumidamente é a tapioca úmida e fermentada, é ingrediente para quitutes como o bolo de massa puba e o pé-de-moleque, que não tem nada a ver com o docinho à base de amendoim que comemos nas festas juninas.

Seu homônimo nordestino é feito com massa puba, açúcar, sal, coco ralado e cravo, sendo a mistura embalada em folha de bananeira e assada no forno. Em Aracaju, o pé-de-moleque é vendido no Mercado Central, nas ruas e até nos supermercados entre R$ 1 e R$ 2, a unidade. Eu experimentei alguns, inclusive caseiros, e não apreciei muito. Pareceu-me uma goma meio sem graça, comida de doente, se é que me entendem.
Rivalizando com a macaxeira no prato dos sergipanos, há o inhame, comido cozido como acompanhamento nas refeições principais, inclusive no café da manhã. Um detalhe curioso: o tubérculo vendido em Aracaju como inhame é o que conhecemos em São Paulo como cará. Já o nosso inhame é o cará deles. Pelo menos foi o que me disseram.

O relato da Adriana sobre o Mercado Central de Aracaju continua no próximo post.

7 comentários:

  1. Muita gente pode achar esquisito, mas toda vez que viajo tenho que passar em um mercado e em um supermercado. Eles refletem um pouco da cultura alimentar local, além de fornecerem uns temperos e frutas do local.

    Esse mercado está na lista quando for a Aracaju

    ResponderExcluir
  2. descobri agora o seu blog e adorei....fez viajar um pouco pelo seu pais e conhecer novos "sabores"

    parabens

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Ainda não conheço Aracaju. Aliás, tem muitos lugares no Brasil que ainda não conheço e tenho ontade de visitar.
    A melhor forma de conhecer um lugar ou um povo é conhecendo a sua alimentação. Totalmente interligado com o clima e a cultura.

    bjo,
    Nina.

    ResponderExcluir
  4. eu sou uma ignorante do nordeste brasileiro. so estive uma vez em Salvador [na decada de 80] e fiquei maravilhada. nao conheco nada mais, infelizmente. um dia quem sabe.... enquanto isso, vou lendo sobre essas comidas fantasticas! beijao,

    ResponderExcluir
  5. Rodrigo,
    É sempre bom conhecer os produtos típicos. e o mercados centrais são excelentes para isso.

    Paula,
    Entre sempre para viajar com a gente.

    Nina e Fezoca,
    Uma boa parte do Brasil também é desconhecida pór nós, infelizmente.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Muuuuito legal!!! Me lembrou bastante dos relatos do Alex Atala sobre Mercados Públicos e Feiras Populares! Parabéns pelo post!!

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Estudo (e amo) Gastronomia na Universidade Federal da Bahia (em Salvador),
    e sou de Aracaju.

    Adorei o site, e sou suspeita, mas adorei o post.
    Abraços!

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails