13 de jun de 2007

Doce descoberta

– Olha, Débora, se eu trabalhasse onde você trabalha não sei como faria para resistir aos quindins da Alice. São os melhores que já experimentei.
– Nooooooooooossa, eu sou louca por quindim! Mas quem é Alice?
– Sei lá, deve ser o nome da dona da “Alice Quindins”. Pera aí, você trabalha há poucas quadras da fábrica e não conhece a “Alice Quindins”?
– Não conheço. Mas com essa propaganda amanhã mesmo vou passar por lá e provar um. Onde fica?
– Na Cônego, quase ao lado da floricultura. A porta é muito pequena e talvez por esse motivo você nunca tenha visto a lojinha. Tem um toldo amarelo na entrada.


E foi assim, conversando com uma amiga, que eu tive a sorte de conhecer essa confeitaria, se é que posso defini-la dessa maneira. Na verdade é uma loja de fábrica – minúscula – sem qualquer decoração que lembre uma doceria. Fica instalada numa espécie de viela e a porta é tão escondida que se não fosse o toldo amarelo e o cheiro inconfundível de quindim, teria passado despercebido mais uma vez.
Ao entrar, devo confessar que achei o lugar um pouco estranho. Os doces são expostos dentro de embalagens fechadas de papel Kraft. Estas, por sua vez, ficam um pouco amontoadas sobre uma mesa, mas nada que comprometa a qualidade. Nesse mesmo espaço funciona o escritório da empresa e, ao lado, a cozinha, de onde é possível espiar a produção das delícias e notar a ótima higiene do local.
Bom, apesar da linda aparência do quindim, decidi comprar só um (R$ 2,00) para me certificar de que seu sabor não era semelhante ao de gemada, já que isso é comum quando ele não é cuidadosamente preparado.

Como não havia mesas nem cadeiras por lá, o jeito foi deixar para comer mais tarde.
Nesse momento eu tive certeza de que o manjado provérbio popular “as aparências enganam” está coberto de razão, pelo menos nesse caso. O quindim era simplesmente delicioso! Deu para sentir nitidamente a massa de coco e o creme de ovos que sempre se separam quando a qualidade do doce é superior. No dia seguinte, eu estava lá de novo comprando uma caixa com onze unidades dos mini-quindins (R$ 11,00).


Depois de um tempo descobri que eles revendem as guloseimas para supermercados, empórios, docerias e restaurantes. A lojinha é só algo improvisado, um “quebra-galho” para os aficionados por doces, como eu. Daí a justificativa para tamanha informalidade.
E para minha sorte já é quase hora de almoçar e como estou no escritório, não preciso nem dizer onde vou comer minha sobremesa de hoje, não é mesmo?

Sugestão do chef: Além do o carro-chefe também são produzidos camafeus, trufas, brigadeiros e beijinhos. Tudo tão bom quanto os quindins.

Alice Quindins: Rua Cônego Eugênio Leite, 1040 , Pinheiros
Tel: 3815-1069 e 3183-1213 –
http://www.alicequindins.com.br/

6 comentários:

  1. Débora,

    Vou acompanhar o site da "gulosa" nas horas vagas. Sugiro que você habilite seu RSS para ficar mais fácil acompanhar os posts. Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  2. Ricardo,
    Que bom que gostou do blog. Volte sempre que puder.
    O Fernando e eu estamos pesquisando sobre o funcionamento do RSS pois não entendemos muito bem como ele funciona. Em breve pretendemos habilitá-lo. Obrigada pela dica.

    ResponderExcluir
  3. Debora,
    Adorei seu blog.
    Que delícia escrever sobre comida.
    Visite meu blog tb?
    Um beijo pra vc
    Leticia

    ResponderExcluir
  4. Oi Leticia,
    Obrigada! Que bom que gostou do blog.
    De fato escrever sobre comida é uma delícia! Mas o seu blog também é muito legal, vou visitá-lo sempre, aliás, se tem uma coisa tão boa quanto escrever sobre comida é escrever sobre viagens.
    Beijos,
    Débora

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que quindim mais lindo. Nem sou mto desse docito, mas esse aí me fisgou.

    ResponderExcluir
  6. Diego, é uma delícia!
    Muita gente que eu conheço não gostava de quindim até comer esse.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails