15 de mar de 2010

SPRW – Marcel

Nos despedimos desta edição da São Paulo Restaurant Week com um almoço no clássico restaurante francês Marcel, localizado no térreo de um flat nos Jardins. A casa, infelizmente, optou por não fazer reservas para o almoço de domingo, o que nos obrigou a encarar uma espera de pouco mais de uma hora.
Quando foram servidas as entradas, concluímos que valeu a pena esperar. Estava ótima a Sopa Fria de Abobrinha e Alho Poró.

Melhor ainda a salada de folhas com lascas de parmesão de alta qualidade e um delicioso vinagrete de mel de engenho.

A carta de bebidas privilegia os drinks e carece de variedade de cervejas – só tinha Bohemia e Heineken. Entre os vinhos em garrafa, poucas opções para o nosso bolso... minha solução foi pedir uma taça do chileno Terra Andina Pinot Noir (R$ 13,90), enquanto a Débora ficou no suco de laranja (R$ 4,90).

Eram três as opções de pratos principais, por essa razão (e só por ela) descartamos a Truta ao Pesto de Rúcula e Castanha-do-Pará com Legumes à provençal. Ficamos com o Suflê, prato clássico do restaurante, apresentado em uma versão com batatas confitadas, linguiça e cebola roxa, que não consta do cardápio regular. Muito bom e com excelente custo-benefício, já que no menu habitual nenhum suflê custa menos do que R$ 31.

Pedimos também Medalhão de Filet Mignon ao Molho de Mostarda Escura com Batatas Rústicas, e entendemos a razão deste ter sido, de longe, o prato mais pedido entre os frequentadores: estava absolutamente excelente!

Os sorvetes artesanais de tapioca e chocolate, servidos como opção única de sobremesa, até caíram bem naquela tarde de forte calor, mas sentimos falta de doces mais elaboradas.


Sugestão do chef: parte de nossa decepção com as sobremesas do menu SPRW tem a ver com o fato de o restaurante contar, no cardápio regular, com suflês doces como os de cupuaçu, frutas silvestres e goiabada. Adoraríamos poder provar, mesmo que fosse uma versão “mini”.

Marcel: Rua da Consolação, 3555 – Jardins – São Paulo – SP – Tel.: (11) 3064-3089

14 de mar de 2010

SPRW – Fillipa

E mais uma vez nosso almoço com menu da SPRW foi impecável (R$ 27,50 + R$ 1). Reservamos o Fillipa e não nos arrependemos. O restaurante manteve a qualidade dos pratos do cardápio convencional e também o atendimento simpático e eficaz.

Nossas entradas chegaram rápido. O Goi Cuon, rolinho vietnamita de folha de arroz recheado com cenoura, broto de feijão, tofu, camarão, ervas frescas e noodles estava delicioso. Ficou ainda melhor com o chutney apimentado e o molho especial à base de cebola e amendoim.

A salada Ingaí leva palmito, queijo branco, nozes, goiaba, folhas verdes variadas e vinagrete de mel. Mesmo não sendo tão elaborada quanto o rolinho, rendeu elogios.

Para acompanhar os pratos, pedimos suco de acerola (R$ 5,90) e caipirinha Thai Mix (R$ 15,90), com lichia, manjericão tailandês e saquê, que achamos um pouco sem graça.

Gostamos de ver que ambas as opções de prato principal faziam parte do cardápio fixo. O San Remo, salmão teriaki servido com legumes ao pesto de salsinha e maçã grelhada, custa normalmente R$ 43. Destaque total para os legumes cozidos super saborosos, crocantes e bem temperados.

E, como esperávamos, uma das opções de prato principal do evento era à base de curry. Na nossa opinião, as melhores comidas no Fillipa são as que levem este condimento. O Pad Phed traz curry vermelho tailandês com frango, leite de coco fresco, macadâmia e amendoim, servido com arroz jasmin. Apimentado na medida, fez uma ótima combinação com as castanhas. Melhor prato desta edição da SPRW até agora.

Também caprichadas estavam as sobremesas. Apesar de muito gostoso, o Brownie com chantilly não superou o Sorvete de Coco com calda caramelizada de Gengibre, Coco fresco e pedaços de Laranja.


Sugestão do chef: o Fillipa pertence à chef Ina de Abreu, mesma proprietária do Mestiço, que em 2007 foi eleito o melhor restaurante no Prêmio Brincando de Chef.

Fillipa: Rua Joaquim Antunes, 260 – Jardim Paulistano – São Paulo – SP. Tel.: (11) 3083-3868

9 de mar de 2010

SPRW – Emprestado

A Vila Madalena foi o bairro escolhido para nosso segundo almoço nesta São Paulo Restaurant Week. Chegamos curiosos para conhecer a proposta do Emprestado Restaurante, de reproduzir em São Paulo pratos conhecidos de sete estabelecimentos situados em diferentes locais do Brasil.

Começamos pela Salada Canarinha, com folhas verdes, mandioquinha crocante e pedaços de pequi. Básica, mas com um toque especial graças ao fruto do Cerrado.

Bem saboroso estava o carpaccio de carne de sol com raspas de queijo coalho, chamado por lá de Cacareco.

Enquanto a Débora se refrescava com o suco Verde Delícia, uma mistura de água de coco, maçã, limão e raspas de gengibre (R$8,90) que não deveria ser tão aguada, aproveitei a desculpa do calor para provar uma caipirinha de uva verde com hortelã feita com cachaça especial. Boa, mas cara: R$ 15,20.

Entre os pratos principais, a Débora fez a ressalva de que o seu Mairoto poderia ter uma pitada a menos de sal (ou de shoyu). Mas nada que chegasse a reprovar o risoto com abóbora, castanha de caju e shimeji puxado no limão e no shoyu.

A inspiração do meu pedido veio de Paraty – cidade que adoramos –, mais especificamente do restaurante Banana da Terra. Acompanhado de arroz com amêndoas, o Peixe com Banana coberto com tiras de alho-poró estava delicioso e foi o ponto alto da nossa refeição.

Encerramos com um criativo mas apenas correto mousse de quentão e com um delicioso pudim de leite.

Fomos bem atendidos do começo ao fim e saímos com a certeza de que até agora acertamos nas escolhas da SPRW. Esperamos dizer o mesmo dos restaurantes em que iremos no próximo final de semana.

Sugestão do chef: No dia 16/03 a SPRW já terá acabado, mas a partir dessa data o Emprestado estenderá a promocão a outros pratos do cardápio, sempre com menu completo pelo mesmo preço cobrado durante o evento (R$ 27,50 no almoço e R$ 39 no jantar).

Emprestado Restaurante: Rua Mourato Coelho, 992 – Vila Madalena – São Paulo – SP – Tel.: (11) 3034-0214 – Fecha às segundas.

7 de mar de 2010

SPRW - Govinda

Nossa estreia nesta São Paulo Restaurant Week aconteceu no almoço de sábado no indiano Govinda (R$ 27,50). Fomos recepcionados com o couvert tradicional, que normalmente custa R$ 16,90 por pessoa. Excelente início com salada, bolinhos de carne recheados de ovo de codorna e, principalmente, sete deliciosos chutneys acompanhados de pão Nan. Difícil saber qual sabor gostamos mais: gengibre; manga; maçã; banana com raspas de coco; berinjela; hortelã com leite de coco ou iogurte com pimenta.

Para o prato principal, o restaurante disponibilizou seis alternativas, incluindo uma opção vegetariana. Um das nossas escolhas foi o Macchi ao Creme de Curry, peixe cozido com maçã, champignon e uvas passas, além do ótimo creme de curry. Delicioso, foi, ao lado das entradas, o destaque do almoço.

Também escolhido, o Roghan Gosh traz pedaços de carne de carneiro marinada no iogurte com especiarias e finalizada com molho curry. Inferior ao peixe, mas também muito bom. Ambos os pratos vieram acompanhados de um aromático arroz com cenoura e especiarias.

Na hora da sobremesa, seguimos a tradição de pedir uma de cada. Melhor seria se ambos tivessem escolhido Gulab Jamon, uma bolinha de leite frita recheada com castanha de caju e pistache, embebida em calda de açúcar com um toque de cardamomo. Bem melhor do que o Rasmalai, combinação sem graça de bolinho de queijo cozido embebido em calda de leite e pistache.


Sugestão do chef: Ao lado do restaurante, funciona uma loja de artigos indianos. O foco são as roupas, mas há também artigos de decoração. E o melhor: boa parte dos produtos está em promoção!

Govinda: Rua Princesa Isabel, 379 – Brooklin – São Paulo – SP – (11) 5092-4816

6 de mar de 2010

Massas inesquecíveis na capital das carnes

Nossa ida para Buenos Aires foi um pouco corrida. Saímos direto da festa do casamento e desembarcamos em terras argentinas na madrugada de domingo, dia em que acordamos cedo para passear bastante pela feira de San Telmo. A soma do cansaço acumulado dos meses anteriores com as poucas horas de sono naquela noite, inacreditavelmente, resultou em quase nenhuma fome. Por isso, naquele dia almoçamos apenas umas empanadas.
Porém, conforme caminhávamos pelas ruas do bairro, éramos atraídos por cafeterias e restaurantes simpáticos. E diante dessas opções, só nos restou separar uma data da viagem para um almoço por lá, o que ocorreu em um dia frio e chuvoso.
Pra combinar com a temperatura mais amena, decidimos ir a um restaurante italiano que vimos na Plaza Dorrego. Fica num ponto movimentado mas meio escondido, com uma escadaria entre a rua e o salão principal. Por essa razão, mantém um funcionário disposto a mostrar o cardápio a quem passa por perto. Normalmente fugimos de estabelecimentos que buscam por clientes na calçada, mas a curiosidade nos encorajou a romper o preconceito e espiar o cardápio do Amici Miei, cujas principais opções são combinações interessantes de massas e risotos. Nos empolgamos e resolvemos entrar.

A berinjela curtida no vinho e os pães fresquinhos do couvert foram uma amostra do que estava por vir. Pena que, outra vez, não acertamos na escolha do vinho. O Lurton Malbec (45 pesos) nos pareceu bem jovem, de aroma e sabor pouco encorpados, porém com forte presença de álcool. Mas tudo bem, pois ele ficou em segundo plano quando chegaram os pratos.

O Cappellotti di Fonduta al Tartufo Nero (capeletti de queijo Fontina e trufas negras ao molho escuro de carne com parmesão – 48 pesos) mesclava a delicadeza da textura da massa com o sabor marcante e equilibrado do molho. Uma delícia!

Entretanto, para a nossa surpresa, foi o Tortelli di Erbette Burro Fuso e Parmigiano (Tortelli de ricota e espinafre fresco com manteiga derretida e parmesão – 34 pesos) o grande destaque do almoço. Com recheio farto e bem temperado, o prato é daqueles pra se comer devagar, na tentativa de demorar ao máximo para chegar ao fim.

E aí está a prova de que, muitas vezes, são os lugares mais improváveis que nos revelam as melhores surpresas.
Depois de um almoço tão saboroso, achamos melhor garantir uma sobremesa compatível. No caminho até o restaurante vimos uma unidade da sorveteria Freddo, cujos sorvetes já havíamos provado (e aprovado). E lá fomos nós repetir a dose, mas a história desse relato fica para outro post.

Sugestão do chef: além das boas opções de pratos principais, o Amici Miei serve pizzas individuais também durante o dia.

Amici Miei Ristorante: Plaza Dorrego – Defensa 1072 – San Telmo – Buenos Ares – Argentina. Tel.: (54 11) 4362-5562

3 de mar de 2010

Um pouco de tudo em Palermo

Palermo, o maior bairro de Buenos Aires, é um lugar difícil de definir. Dependendo do olhar – e da parte visitada – pode ser o local dos bares movimentados, das lojas de grife, da gastronomia elaborada, do design, dos descolados...
Para quem está na divisão conhecida como Palermo Chico, é mais fácil que seja o bairro das mansões espetaculares, boa parte delas servindo de sede para embaixadas.

Outra opção, ainda mais provável, é que a região seja definida pelos seus parques e bosques. E nada mais justo do que isso.
A começar pelo Jardim Botânico. Impossível não esquecer do tempo nas agradáveis alamedas, cobertas por quase seis mil plantas.

Ainda mais se você gostar tanto de gatos quanto a Débora. São dezenas deles, de todas as cores! E não querem nem saber de ficar escondidos. Chegam perto mesmo, meio que implorando um pouco de atenção.

Ao sair de lá, basta atravessar a avenida pra chegar ao Zoo. Lugar simpático onde, além dos animais presos, é possível “interagir” com alguns bichos que ficam soltos, como o ratão-do-banhado, cuja numerosa presença equivale a dos gatos no Botânico. Lá a entrada é cobrada – 22 pesos para ver todas as atrações.

A mesma região abriga outra área verde que vale uma visita, o Jardim Japonês. Paga-se uma taxa de cinco pesos para ter acesso ao espaço, inaugurado no final da década de 60 e depois adaptado ao estilo dos jardins zen. O resultado é um lugar que transmite sensação de paz mesmo quando as condições meteorológicas começam a jogar contra.

Se sobrar disposição para uma caminhada, é possível seguir até a Plaza de las Naciones Unidas, onde fica a Floralis Genérica, aquela famosa flor esculpida em aço pelo arquiteto argentino Eduardo Catalano. Dotada de um sistema fotoelétrico, a obra de 20 metros abre suas pétalas pela manhã e as fecha no fim do dia. Apesar de muito próxima dos bosques de Palermo, está em uma área pertencente ao bairro da Recoleta.

Nesse dia dedicado aos parques, decidimos almoçar na parte conhecida como Palermo Soho, mais distante dos bosques e assim chamada pela semelhança com o homônimo nova-iorquino. Lembra um pouco o bairro dos Jardins, aqui em São Paulo, sobretudo pela concentração de restaurantes pretensiosos e de lojas elegantes.
Matamos a fome no pequeno e aconchegante Caldén del Soho, cujo cardápio destaca amplamente as carnes típicas.

Eu ainda dava os primeiros goles na minha Quilmes e beliscava o couvert quando a Débora já se decidia pelo Lomo Pampa (45 pesos). Ótimo medalhão ao molho de vinho tinto, com cogumelos, salada de folhas e uma maravilhosa provoleta envolta em massa filo. Demais!

Louco pra continuar minha incursão pelo mundo das carnes argentinas, pedi logo um asado de tira (costela, vendida por 34 pesos). E só percebi o que tinha feito quando o garçom se aproximou: o corte, como podem ver, era imenso!
Mas encarei mesmo assim, acompanhado de molho chimi-churri e vinagrete, além do desnecessário purê de abóbora que havia pedido (12 pesos).

Dei conta porque a carne estava mesmo muito boa.
Ainda dividimos um pudim de pão com maçãs carameladas chamado de Budín Caldén (12 pesos). Esse, totalmente sem graça, destoou completamente do restante do almoço e de tudo o que fizemos naquele dia.


Sugestão do chef: Em boa parte das churrascarias argentinas, a carne é servida com menos sal do que estamos acostumados aqui no Brasil. Talvez por eles não utilizarem sal grosso. No Caldén, essa diferença ficou bem perceptível, o que pode desagradar aqueles que não abrem mão de uma carne mais salgada.

Caldén del Soho: Honduras, 4701, esquina com Malabia – Palermo – Buenos Aires – Argentina. Tel,: (54 11) 4833-2221. E-mail: caldendelsoho@gmail.com
Jardín Botánico: Av. Santa Fe, 3.951 – Palermo – Buenos Aires – Argentina. Tel.: (54 11) 4831-4527
Zoo Buenos Aires: Entre Av. Sarmiento e Av. Las Heras – Palermo – Buenos Aires – Argentina.
Tel.: (54 11) 4011-9900
Jardín Japonês: Entre Av. Figueroa Alcorta e Av. Casares – Palermo – Buenos Aires – Argentina. Tel.: (54 11) 4800-1322
Floralis Genérica: Entre Av. Figueroa Alcorta e Calle Áustria
Related Posts with Thumbnails